Turma da Mônica Wiki
Advertisement
Anjinho
Anjinho.png
Informações de Fundo
Filmes
As Aventuras da Turma da Mônica,
A Princesa e o Robô
Programas de Televisão
Turma da Mônica
Vídeo-Games
Turma da Mônica, O Resgate
Dublador(es)
Denise Simonetto (1ª voz)
Alice Cardoso (Cine Gibi 5)
Marli Bortoletto (atual)
Inspiração
Anjos da Guarda
Primeira Aparição
14 de maio de 1964
Informações do Personagem
Nome Completo
Ângelo
Outros Títulos
Anjinho, Céuboy
Aparência e Personalidade
Anjo da guarda com cabelos cacheados, loiro, auréola, branco, camisa azul, shorts preto.
Data de Nascimento
7 a.C. (25 de Dezembro)
7 anos (Eternamente) [1]
Ocupação
Anjo da Guarda
Afiliações
São Pedro, Deus, Anjo Gabriel, etc.
Moradia
Céu, Bairro do Limoeiro (ocasionalmente)
Amigos
Turma da Mônica
Inimigos
Vilões da Turma
Objetivo
Proteger a Turma da Mônica
Poderes e Habilidades
Voo, etc.
Armas e Itens
Tocha, entre outros

Anjinho é o anjo da guarda que tem como principal missão cuidar e proteger todas as crianças da Turma da Mônica, principalmente os pequenos do Bairro do Limoeiro. Atarefado, disciplinado e cheio de afazeres, o doce Anjinho sofre na mão da turminha, quando o Cascão corre pro quintal do cachorro Rúfius pra pegar uma bola, é o nosso querubim que voa pra salvá-lo, quando a Magali sobe em árvores para pegar maças, ele que a resgata, sua vida se resume a estressante rotina, tão jovem e tão agitado, sua personalidade se resume a uma responsabilidade gigante que chega a dar graça! Costuma descer das nuvens para também brincar com as crianças e protegê-las de algum acidente, se possível. Seu maior problema é quando os meninos aprontam com a Mônica, já que não consegue evitar as coelhadas que a dentucinha distribui, às vezes, sobrando até para ele.

Características e traços

Em suas primeiras tiras, ele era um anjo que caiu do céu e perdeu a auréola por ser um anjo arteiro. Essa personalidade contraditória para um anjo foi abandonado ao longo dos anos, à medida que Anjinho se tornou a voz da sabedoria da turma e o mais ético de todos, obviamente por ser um ser divino. Porém, apesar disso, ainda apresenta de vez em quando sentimentos humanos e falha como qualquer um deles.

Seu sexo é muito questionado, principalmente pela turma. Porém, em uma história, foi revelado que ele é um anjo macho e que os anjos têm sim um sexo, contradizendo outras histórias. 

Biografia

O Anjinho faleceu há séculos atrás, na época Império Romano, ainda criança, durante o dia de Natal, em que Jesus Cristo nasceu. Por conta da sua alma gentil, caridosa e respeitável, acabou sendo benefiado ao posto de anjo-da-guarda, ganhando asinhas e um lugar especial no céu. Algumas vezes, ele sobe ao "centro angelical" para receber ordens de São Pedro, seu chefe, junto ao seu supervisor, que é o Anjo Gabriel, que as vezes dá bronca no Anjinho por ele não fazer o trabalho corretamente, já que, como criança, também tem seus devaneios infantis, encarregado direto de Deus.

Canção de Amor do Anjinho

Esta música foi composta por Márcio Araújo de Sousa, irmão do Mauricio, e está no LP Turma da Mônica, de 1988, lançado pela Globo Discos, bem como no CD-brinde de Mônica 35 Anos (1998).

O anjinho gosta de brincar no céu
A bordo de uma nuvenzinha voa, voa, voa, voa
Vai pegando o brilho das estrelas
Para iluminar por onde vai passando
E no seu caminho vai deixando a paz
Em forma de uma canção de amor
Pra ser feliz
É só sorrir e cantar
Que a felicidade logo vai chegar
Pra ser feliz
É só sorrir e cantar
Que a felicidade logo vai chegar
Como é bom cantar e ser feliz!
E no seu caminho vai deixando a paz
Em forma de uma canção de amor
Pra ser feliz
É só sorrir e cantar
Que a felicidade logo vai chegar
Pra ser feliz
É só sorrir e cantar
Que a felicidade logo vai chegar
Como é bom cantar... e ser feliz

Curiosidades

  • Na Turma da Mônica Jovem, Anjinho/Céuboy revelou seu verdadeiro nome: Ângelo.
  • Em uma das histórias, é revelado que Anjinho ao tentar pegar uma flor, cai de um penhasco e morre. Após morrer, surge a Estrela de Belém e ele vira um anjo. Essa história teve a participação da Dona Morte.
  • Foi citado há certo tempo[especificar] que só as crianças e outros anjos podiam vê-lo, o que entra em contradição com várias histórias antigas, onde os adultos podem vê-lo e ouvi-lo.
    • Na história "Um Anjinho Entre Nós" (Parque da Mônica Nº 4 (Editora Globo), abril/1993), Anjinho perde as penas das asas e fica sem conseguir voar. Cascão o leva para ficar em sua casa, e Dona Lurdinha consegue vê-lo (embora não o conheça). Além disso, Anjinho mostra que consegue induzir as pessoas a fazerem bondades com o seu "olhar angelical".
    • Na história "A Minha Tia de Natal Veio Para o Natal!" (Mônica 1ª Série Nº 36 (Editora Panini), dezembro/2009), quando uma máquina do Franjinha dissipa a nuvem de Anjinho, ele cai no Campinho no meio da turma, inclusive Elizete, tia-avó da Mônica. Mônica apresenta o Anjinho, mas Magali sussurra a ela que "os adultos não conseguem ver os anjinhos". Entretanto, todos se surpreendem quando Elizete mostra conseguir enxergar o Anjinho, e Cascão sussurra que "a tia da Mônica é uma pessoa muito especial".
    • Na História "Quando a Esmola é Muita..." , quando Anjinho e São Tomé estão vendo as pessoas doando dinheiro na igreja, um milionário chama o Anjinho pra conversar em particular.
  • Apesar de aparentemente ser um menino anjo, em algumas histórias foi revelado que ele não tem sexo, assim como todos os outros anjos, contradizendo informações ditas em outras, não havendo um consenso definido.
  • Mesmo ele sendo o anjo-da-guarda oficial da turma, em algumas histórias é mostrado que cada personagem tem seu próprio anjo, que é idêntico a seu protegido, mas com asinhas e auréola.
  • Seu supervisor é o Anjo Gabriel e o seu chefe é o São Pedro. O Arcanjo Miguel é o outro supervisor do Anjinho. Anjinho possui no total 100 supervisores.[carece de fontes]
  • Anjinho torce para o Santos.[2][3]
  • Seu nome nas tirinhas em inglês é Angel.
  • A natureza do Anjinho já foi discutida em algumas ocasiões:
    • Na história "Aconteceu no Natal" (aparentemente baseada no conto "The Littlest Angel", de Charles Tazewell), contando sobre a época em que chegou ao céu, Anjinho diz que era uma criança órfã, que não tinha nome. Morreu ao cair de um precipício, pouco antes de Jesus nascer. Moisés (que era o antecessor de São Pedro) escolheu o nome "Anjinho" para ele quando Dona Morte o trouxe.[4]
    • Em "O Sexo dos Anjos", Anjinho explica à Mônica: "Anjos não são como as pessoas! Nós não temos um corpo físico real para definir questões mundanas como masculino e feminino! Anjos são seres de energia transcendental pura e luminosa! Nós só assumimos esta aparência para nos tornarmos mais próximos da raça humana, que juramos servir e proteger!"[5]
    • Na história "Para Cada Anjo, um Pestinha!", Dudu pergunta a Anjinho se ele morreu, mas ele não chega a responder (apenas nega conhecer o Penadinho). Dudu faz muitas perguntas, de modo que Anjinho nega ser um membro dos "Xis-men", um amigo imaginário, um gafanhoto falante, e um gênio.[6]
    • Na revista Mônica Histórica Nº 19, em comentário sobre a história "Um Anjinho da Guarda", um texto "Arquivos do Mauricio" do roteirista Paulo Back diz: "Vale dizer que o Anjinho sempre foi uma entidade espiritual, não um menino que morreu e foi para o céu."[7] Ele também lembra que, antes de se tornar oficialmente o anjo da guarda da turma (a partir desta história), "ele era apenas um anjinho que, por fazer muita bagunça no Céu, é deixado de castigo aqui na Terra."
    • Em "Para Quem é Feita uma Festa de Aniversário?", procurando convidados para sua festa, Cebolinha diz que "O Anjinho é só um fluto[sic] da minha imaginação".[8]
    • Em "O Baile de Máscaras", Denise diz "Não liguem! Ele é só uma manifestação da nossa mente sugestionável e fantasiosa!".[9] Anjinho protesta, dizendo que é "muito real", embora depois se questione e se belisque para conferir.

Predefinição:Personagens

Referências

  1. De acordo com a história "Aconteceu no Natal" do Gibizinho do Anjinho Nº 5 (Ed. Globo, 1991), Anjinho faleceu quando, provavelmente, tinha sete anos (já que é a idade central das crianças da Turma), sendo que morreu no dia em que Jesus Cristo nasceu, com isso, sendo retirado menos 7 anos do dia de Natal (dia que Jesus morreu na Crença Cristã), teremos 7 antes de Cristo.
  2. Mônica Nº 83 (Editora Globo) - Torcida, Novembro de 1993
  3. Turma da Mônica (8 de Junho de 2017). "Quem foi que disse que peixe não voa?" via Facebook. Visitado em 19 de Agosto de 2020 (arquivo).
  4. Gibizinho Nº 5 (Gibizinho do Anjinho; Editora Globo) - Aconteceu no Natal, Dezembro de 1991
  5. Mônica Nº 198 (Editora Globo) - O Sexo dos Anjos, Dezembro de 2002
  6. Magali Nº 398 (Editora Globo) - Para Cada Anjo, um Pestinha!, Julho de 2006
  7. Mônica Histórica Nº 19 (Editora Panini) - Arquivos do Mauricio, Pág. 17, Setembro de 2010
  8. Cebolinha 1ª Série Nº 94 (Editora Panini) - Para Quem é Feita uma Festa de Aniversário?, Pág. 13 (quadrinho 1), Outubro de 2014
  9. Magali 2ª Série Nº 46 (Editora Panini) - O Baile de Máscaras, Pág. 6 (quadrinho 1-2), Fevereiro de 2019
Advertisement